Sobre

O aeroporto

Há mais de três anos a sociedade gaúcha realiza debate com o objetivo de encontrar uma alternativa à questão da infraestrutura aeroportuária do RS. A partir de então, propôs-se o estudo do novo Aeroporto Internacional. No intuito de encaminhar solução ao problema do esgotamento da capacidade de atendimento à crescente demanda aeroportuária, representantes do Estado identificaram uma área viável à implantação do sítio aeroportuário, realizaram o levantamento do perímetro e topografia do terreno. Os municípios onde se situa o sítio proposto – Nova Santa Rita e Portão, na Região Metropolitana de Porto Alegre – já decretaram, a pedido do Governo do Estado, a utilidade pública do sítio escolhido, com área de 2.500 hectares.

O projeto de implementação de um Aeroporto Internacional na Região Metropolitana de Porto Alegre, no limite entre os municípios de Nova Santa Rita e Portão, conta com o apoio de lideranças governamentais e empresariais do Estado do Rio Grande do Sul. O Termo de Apoio pela Instalação do Comitê Pró-Aeroporto Internacional 20 de Setembro foi firmado por cerca de 200 pessoas, em 28 de fevereiro de 2013, em evento realizado em Nova Santa Rita.

Esse novo Aeroporto – classificado como A nas normas da IATA, com características para ser o aeroporto hub do Mercosul, que atenda demandas futuras de transporte de passageiros e cargas, pelo modal aéreo e a rota da calota polar sul, terá área mínima prevista de 25 km2, com duas pistas, sendo uma com comprimento mínimo de 3.200m, para uso simultâneo, e, garantindo desde já, a possibilidade de, no futuro, ter uma terceira pista, autossustentável e com infraestrutura industrial e de cidade -, configura uma necessidade estratégica do Rio Grande para alavancar o crescimento do Estado e do País. Ele permitirá ao Brasil realizar voos pela Rota Polar Sul, decolando do Rio Grande do Sul diretamente para a Austrália e a Nova Zelândia e o Sul da Ásia, e, de lá, para Índia, China e o Sudeste Asiático. Viabilizará também voos diretos de cargueiros para a Europa e a América do Norte, desafogando os saturados terminais de cargas de outros aeroportos. Cabe destacar que, atualmente, quase toda a carga aérea do RS destinada à exportação segue por via rodoviária até São Paulo.

Em síntese, considerando a necessidade de se buscar solução à crescente demanda aérea no Estado do Rio Grande do Sul e da Região Sul como um todo e a importância estratégica para o País e o Estado de termos esse aeroporto internacional para transporte de passageiros e de carga para o Brasil e o mundo, em nome do Comitê Pró-Aeroporto Internacional 20 de Setembro, agradecemos o apoio a esse projeto.

Convicto de que o Aeroporto 20 de Setembro é estratégico para o estado e para o país, o governador Tarso Genro marcou o início do trabalho técnico-político-institucional sobre o projeto com um sobrevoo sobre a área em abril de 2013 e, no dia 19 daquele mês, instituiu o Comitê Executivo do novo Aeroporto da Região Metropolitana, através do Decreto n.º 50.263.

Prof. Dr. Pe. Marcelo Fernandes de Aquino
Coordenador do Comitê Pró-Aeroporto 20 de Setembro

 

Mais referências:

– O Salgado Filho recebeu mais de 8 milhões de passageiros em 2012;

– A expectativa de passageiros para 2023 é de 11 milhões, aplicando-se uma projeção conservadora de crescimento da ordem de somente 3%. Mas a tendência é de que esse crescimento seja bem maior, observando-se o cenário da aviação comercial (segundo a FGV, pode chegar a 10%);

– O RS, em 2012, foi o 3.º Estado em número de passageiros em viagens internacionais;

– Atualmente, quase toda a carga aérea para exportação do RS segue por via rodoviária até São Paulo;

– Se o Rio Grande do Sul fosse um país, com o PIB que teve em 2011, seria a 56.ª Economia mundial;

– Em 2015, o Brasil deve ser a sexta economia do mundo;

– Em 2030, o BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China, que se destacam como países em desenvolvimento) representará 55% da economia mundial (atualmente representa 15%). Hoje, os 25 aeroportos que têm maior aumento de movimento estão nas nações desse grupo.